Araruna-PB, Quarta-Feira, 24 de Maio de 2017
Publicidade
Curiosidades
15 de Abril de 2017 ás 09:45h
Confira dicas importantes se for viajar com pouco dinheiro
Economizar não é uma arte. É mais um tipo de procedimento que se aprende com o tempo, através de tentativas e, especialmente, de muita pesquisa.

Para aqueles que desejam desesperadamente viajar, mas não tem muito dinheiro para gastar, recomendamos uma pesquisa sobre os pormenores do destino da viagem em questão. Entretanto, antes de qualquer coisa, é interessante que o viajante conheça alguns passos básicos de economia turística, que podem auxiliar muito na hora do aperto:

1 – Opte por um destino mais em conta

Há quem diga que não importa o destino, mas como você distribui o seu dinheiro. Sem dúvida essa é a uma afirmação verdadeira. Porém, nem sempre é tão fácil assim. Às vezes, o turista não sabe ou não consegue ter tamanha força de vontade e disciplina para economizar tanto. A saída, portanto, é pesquisar com antecedência e encontrar um lugar que seja barato e que agrade. Um bom exemplo são as pessoas que querem realizar uma viagem de clima europeu sem gastar muito. A alternativa, para elas, pode estar bem do ladinho, nos países do Leste Europeu.

 

2 – A escolha da data não pode ser aleatória
Os preços variam. Muito. Durante a alta temporada ou enquanto acontecem eventos ou festas muito famosas, tanto o valor das passagens áreas, como das hospedagens, refeições e passeios estarão muito acima da média.

 

Para quem está querendo economizar, vale a pena escolher a época do ano mais vazia para a realização da viagem. O lado ruim é que algumas atrações podem estar fechadas ou não oferecerem todas as opções de passeio. Ou então, você pode encontrar temperaturas não muito agradáveis.

Entretanto, é possível ainda encontrar um meio termo: bem no começo ou no finalzinho da baixa temporada.

3 - Invista em companhias áreas baratas

As passagens áreas podem ser a aquisição mais cara de uma viagem. Para sofrer menos com o esse custo, vale a pena investir em companhias áreas conhecidas por oferecer tarifas mais baratas, mesmo com menos conforto. No exterior, essa opção é bem comum, graças às empresas chamadas “low cost” (“baixo custo”), que proporcionam preços arrasadores, mas costumam cobrar por bagagem, alimentação, entretenimento de bordo... E, convenhamos, se a grana está curta, não ter esses recursos à disposição nem faz tanta diferença assim.

4 – Perca o preconceito com hospedagens baratas

Hostels estão por todos os lugares. Existe uma infinidade deles, principalmente em cidades grandes e em destinos europeus e norteamericanos. Ao contrário do que se imagina, este tipo de hospedagem não é desconfortável, ruim ou malcuidada.

É claro que existem as exceções à regra, mas a maioria é bem agradável, oferece serviços extras e, de quebra, ainda conta com a oportunidade de estabelecer contato com pessoas de todo o mundo.

Caso a estranheza de dividir o quarto com outras pessoas continue, alguns hostels também oferecem acomodações privadas, com serviço de quarto bem semelhante a hotéis comuns – e ainda cobram mais barato por isso!

5 – Compare antes de trocar sua moeda estrangeira

É sabido que as cotações de moedas estrangeiras variam entre as corretoras de câmbio. Por isso, sempre foi muito comum que os turistas ligassem em diversos estabelecimentos a fim de encontrar o melhor preço do mercado antes de fechar a sua operação de troca de moeda. Mas hoje, tudo ficou muito mais fácil.

Portais como o BoaTaxa (www.boataxa.com.br) oferecem aos seus clientes a oportunidade de fazer uma comparação entre as cotações de câmbio de 21 moedas diferentes entre as corretoras cadastradas, e ainda permite que o usuário registre a sua operação online com a que melhor lhe convier. Os usuários podem analisar os serviços oferecidos pelos estabelecimentos e até mesmo optar entre retirada da moeda na loja física ou entrega via delivery. Com isso, o turista economiza justamente em um dos momentos mais “chave” da viagem, onde cada centavo faz muita diferença.

6 – Perca o medo do transporte público

Ao invés de gastar horrores com carros alugados, Uber ou táxis (e ainda correr o risco de ser assaltado ou levar um calote do motorista, dependendo do destino da viagem), vale a pena investir seu dinheiro no bom e velho transporte público.

Em algumas cidades, esta opção pode ficar ainda mais barata, se você adquirir cartões que englobem um dia (ou vários!) inteiro de uso de uma só vez, com várias viagens inclusas ou que proporcionem interligação entre diferentes tipos de transporte e linhas.

7 – Faça menos refeições em restaurantes caros e invista na cozinha local

Comer é uma das melhores e mais importantes experiências de uma viagem. É uma das partes principais de uma viagem imersiva, é imprescindível para quem realmente deseja mergulhar em uma cultura local.

Este tópico, portanto, junta o melhor dos dois mundos. Comidas típicas costumam ser mais gostosas e, de quebra, ainda mais baratas. Para viajantes sem muita grana, esta opção, além de fazer bem para os bolsos, também faz bem para a alma e o estômago!

180 Graus 
 

O que você achou desta notícia?
bom Gostei ruim Não Gostei
Gostei 0
Não Gostei 0
Por:
Link:
Comentários ()
© 2011 - 2017 - Araruna1.com
Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução parcial ou total deste site sem prévia autorização.