Araruna-PB, Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017
Publicidade
Brasil
19 de Maio de 2017 ás 09:00h
FHC diz que políticos citados devem se explicar e pede respeito à Constituição
Ex-presidente sugeriu que essa facilitação da solução poderia vir com a renúncia

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso disse nesta quinta-feira (18), por meio das redes sociais, que os políticos que foram citados nas delações dos executivos do frigorífico JBS precisam dar explicações para a população sobre as acusações e, caso essa resposta não seja convincente, eles devem “facilitar a solução”. Em sua postagem no Facebook, o ex-presidente sugeriu que essa facilitação da solução poderia vir com a renúncia.
“Os atingidos por elas têm o dever de se explicar e oferecer à opinião pública suas versões. Se as alegações de defesa não forem convincentes, e não basta argumentar, são necessárias evidências, os implicados terão o dever moral de facilitar a solução, ainda que com gestos de renúncia. O país tem pressa. Não para salvar alguém ou estancar investigações”, disse FHC.
Em seu perfil, o ex-presidente pediu também que seja dada publicidade às gravações. “A solução para a grave crise atual deve dar-se no absoluto respeito à Constituição. É preciso saber com maior exatidão os fatos que afetaram tão profundamente nosso sistema político e causaram tanta indignação e decepção. É preciso dar publicidade às gravações e ao fundamento das acusações”, escreveu.
Entenda o caso
Na tarde desta quinta-feira (18), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin decidiu abrir inquérito para investigar o presidente Michel Temer. A medida foi tomada a partir das delações premiadas dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS, controlador do frigorífico Friboi.
O conteúdo dos depoimentos envolvendo Temer foi antecipado nessa quarta-feira (17) pelo jornal O Globo. Segundo a reportagem, em encontro gravado em áudio pelo empresário Joesley Batista, Temer teria sugerido que se mantivesse pagamento de mesada ao ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro para que estes ficassem em silêncio. Cunha está preso em Curitiba. As delações dos empresários também implicam o senador afastado Aécio Neves, presidente do PSDB, mesmo partido de FHC.
Segundo o jornal, as gravações em posse da Justiça revelam que o parlamentar pediu uma propina de R$ 2 milhões a Joesley Batista. Aécio teria indicado seu primo Frederico Pacheco de Medeiros para receber o montante. Hoje, Fachin determinou o afastamento de Aécio do Senado e o primo e a irmã de Aécio, Andrea Neves, foram presos preventivamente.
A Presidência da República divulgou nota na noite de ontem (17) na qual informa que o presidente Michel Temer "jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha", que está preso em Curitiba, na Operação Lava Jato.
Hoje, o Palácio do Planalto pediu ao STF acesso à íntegra das gravações.
Já a assessoria de Aécio Neves informou ontem, pelas redes sociais, que ele está “absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos”. “No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público. O senador aguarda ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários”, diz a nota, divulgada ontem.
A defesa do senador confirmou hoje (18) o pedido de empréstimo de R$ 2 milhões para custear gastos com advogados nas investigações da Operação Lava Jato, mas disse que foi um pedido a "um amigo que pode ajudar", sem relação com o cargo que ocupa.

O que você achou desta notícia?
bom Gostei ruim Não Gostei
Gostei 0
Não Gostei 0
Por:
Link:
Comentários ()
© 2011 - 2017 - Araruna1.com
Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução parcial ou total deste site sem prévia autorização.