Araruna-PB, Segunda-Feira, 20 de Novembro de 2017
Publicidade
Araruna
08 de Novembro de 2017 ás 21:43h
Na última sexta (03) ocorreu normalmente à sessão ordinária na Câmara Municipal de Araruna/PB, confira o resumo

Na última sexta (03) houve a primeira sessão ordinária do mês de novembro na Câmara Municipal de Araruna/PB, sob a presidência do vereador Adailson Bernardo (PSB). Em conformidade com a Ordem do Dia, no início foi lida à ata da sessão do dia 27 de outubro, bem como a apresentação de indicação, requerimentos e projetos, confira abaixo. Os Projetos de Resolução e de lei, bem como seus pareceres não foram apresentados e votados nesta sessão, devido a justificativa do relator em não ter recebido com antecedência para poder elaborar os pareceres, haja vista que o mesmo tem quinze (15) dias para realizar, ficando assim para próximas sessões.

Em seguida cada vereador expressou suas palavras. O vereador Caio Ludgério disse estar muito decepcionado com a política e com o rumo em que ela está sendo levada no município de Araruna, onde as pessoas estão deixando de pensar no bem comum e partindo para o lado pessoal, e enfatizou que se a eleição fosse mais a frente iria refletir muito se seria candidato como ele foi na eleição passada. Expressou que foi falta de respeito como os radialistas do Correio Debate falaram com o parlamentar Adailson Bernardo e que várias acusações que estão sendo feitas atualmente à gestão municipal, na qual algumas são feitas com fundamento e outras vão pelo lado pessoal, o lado da picuinha política, pois não está defendendo e muito menos criticando ninguém, mas observa-se que está tomando outros rumos e isso não é bom para o município.

A vereadora Maria de Lourdes (Lurdinha) relatou estar estarrecida e constrangida pela convocação da polícia para a sessão, pois não concorda em ocupar os militares, sendo isso desnecessário. Manifestou sua vergonha para o que está acontecendo a respeito da suplementação orçamentária e que não era pra isso está ocorrendo, pois se o presidente tivesse ido resolver com o prefeito esse constrangimento não se efetuaria. Expressou ainda que não se devem levar os sentimentos pessoais para a administração pública e tem momentos que temos que ser humildes e ceder para poder solucionar os problemas, mas em momento nenhum o gestor da câmara considerou a interseção que a legisladora fez para que fosse resolvida essa questão.

O vereador Francisco Railton (Pepeta) declarou sua felicidade em poder estar mais uma vez na Casa, pois após ter sofrido o acidente viu que renasceu novamente, na qual agradeceu a todos os amigos por está junto dele nesse momento em que passou. Evidenciou que seu trabalho é muito diferente das picuinhas que estão acontecendo, e não se dá importância a essas coisas.  

O vereador Jefferson Targino foi favorável aos requerimentos e explicitou que tem respeito pelos oradores que o antecedeu, mas que diverge de algumas coisas que foram ditas, visto que não se sente constrangido, intimidado e indignado com os rumos da política sendo uma posição que mostra de público, porque se não quisesse estar no meio desse vendaval não teria se candidatado na última eleição e nem teria se submetido há seis eleições, das quais logrou êxito em cinco. Expôs que essas picuinhas são próprias da política, pois se vê isso tanto em nível estadual como federal, e querer que não exista em nível municipal é algo demais, além do que existe motivo suficiente para isso.

Em seguida falou a respeito de um extrato de uma informação colhida do CNES do Ministério da Saúde que diz com relação ao cadastro nacional dos estabelecimentos de saúde, onde se encontra registrado o PSF de ANAFE que no papel consta médico, enfermeiro, técnico de enfermagem e dentista, mas que de fato não funciona, visto que a dentista que está cadastrada naquela região nem sequer está no Brasil, está na argentina. O PSF de Macapá está há 10 meses sem médico, aí o prefeito ou outro daquele que faz parte da lista de pagamento da prefeitura dizer que está a mil maravilhas, pois isso é uma mentira, visto que o dinheiro está sendo repassado para a saúde, mas a equipe não está formada atendendo a população.

O vereador Adailson Bernardo iniciou dizendo ter ficado estarrecido em expor um problema que a Câmara está passando a uma rádio da Paraíba, na qual o que está acontecendo não é culpa do atual gestor da Casa, pois houve um orçamento falho e todos estão sendo penalizados, visto que estão querendo levar essa situação no cunho da politicagem para justificar as picuinhas que estão acontecendo dentro no município.

Enfatizou que o poder legislativo é independente e precisa dessa suplementação para continuar os trabalhos, disse ainda que é seu terceiro mandato e sempre existiu o Coffee break (lanche) após as sessões, e que não vê irregularidades, só quando se tem um excesso de gastos, porém em relação à gestão da câmara nos primeiros cinco meses foram realizadas seis (06) sessões ordinárias e uma (01) extraordinária sendo gasto R$ 2.505,00 reais em lanches, inclusive com almoços também com um gasto total de R$ 357,86 reais. Já na atual gestão foram realizadas até semana passada nove (09) sessões ordinárias e quinze (15) sessões extraordinárias com um gasto de R$ 2.436,00 reais, que por sessão custou R$ 101,46 reais, sendo essa a realidade dos lanches da casa que serve para todos os funcionários, onde o legislador não vê nada de anormal nisso.

Continuando, o legislador mostrou que nos cinco primeiros meses foram aprovados trinta e nove (39) requerimentos em sete (07) sessões, já na segunda gestão foram aprovados noventa e oito (98) requerimentos, três (03) Projetos de Resoluções e dezessete (17) Projetos de Lei em vinte e quatro (24) sessões. Em relação às diárias do motorista, na gestão passada foram executadas vinte e cinco (25) diárias pelo motorista Alan Teixeira recebendo R$ 1.480,00 reais, em contrapartida na atual gestão o mesmo motorista realizou vinte e sete (27) diárias, onde recebeu o mesmo valor R$ 1.480,00 reais.

No que se refere à assessoria jurídica, contabilidade, internet e a folha de pagamento o ex-gestor gastava R$ 12.550,00, enquanto para executar os mesmo serviços o gestor atual gasta R$ 6.649,20 reais. Por fim, para Luís Martiniano fazer a folha de pagamento mensal ele gastava R$ 650,00 reais, enquanto o atual presidente não gasta nenhum centavo, porque está incluso no contador. Com essas informações o vereador expôs esse comparativo de gastos de Luís Martiniano (Ex-gestor) e Adailson Bernardo (atual gestor). O vereador aconselhou que o grupo de situação nas redes sociais pare com tais postagens, pois não tem costume de apanhar e ficar calado não, e sim, busca andar reto. Por fim, disse que só quem pode resolver a questão da suplementação orçamentária é o próprio prefeito.  

No final da sessão, os vereadores da situação e oposição votaram e aprovaram os requerimentos colocados em pauta.

                                                                                       

A sessão contou com a presença dos Vereadores: Antônio Olinto da Costa, Adailson Bernardo, Jefferson Targino, Francisco Edinaldo Pontes Martins, Maria de Lourdes S. de Macêdo, Rodolfo Cordeiro, Francisco Railton Neves Pontes, Antônio Bernardo de Sousa, Caio Ludgério. Luís Martiniano e Carlos Antônio de Souza Teixeira não se fizeram presentes.

 

Confira os requerimentos:

digitalizar0004-001

digitalizar0003-001

 

Confira algumas fotos:

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.02

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.04

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.05

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.12

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.18

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.19

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.23

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.11

WhatsApp Image 2017-11-05 at 18.28.16



Por: ASCOM - CMA
O que você achou desta notícia?
bom Gostei ruim Não Gostei
Gostei 0
Não Gostei 0
Por:
Link:
Comentários ()
© 2011 - 2017 - Araruna1.com
Todos os direitos reservados
É proibida a reprodução parcial ou total deste site sem prévia autorização.