Araruna
O descaso da saúde de Araruna se torna evidente neste 23 de junho, vejamos o motivo

Publicado em 24/06/2020 00:01 - Atualizado em 24/06/2020 00:01

Reprodução

Diante de uma curva extremamente crescente do coronavirus, onde temos uma quantidade significativa de infectados, no caso 46 pessoas, boletim epidemiológico do dia 22 de junho, além de termos 3 óbitos em menos de 10 dias, mesmo com este quadro assustador neste mês de junho a secretária de saúde de Araruna e também esposa do atual prefeito não veio a público anunciar medidas que bloqueiem a disseminação do virus, pelo contrário se omitiu diante do quadro, então nos restou o prefeito, porém o mesmo não está muito preocupado com a situação, pois está totalmente empenhado em querer mostrar serviços para a população para atingir sua reeleição e tenta a todo custo chamar a atenção do povo ararunense com Lives, entrevistas na Talismã e reinauguração de prédios públicos. 

 

Neste contexto acima mencionado, constatamos hoje o descaso, pois após a Live do pré candidato do MDB a prefeitura de Araruna, o atual prefeito marcou uma entrevista na Talismã, agendou a reinauguração de uma escola, mesmo em meio a pandemia do coronavirus, mesmo desobedecendo decreto por ele instituído, que orienta a não aglomeração, fez o evento e causou ajuntamento de pessoas, porém não só foi isto, pois após a entrevista participou de um café da manhã onde várias pessoas estavam sem máscaras, inclusive o assessor de comunicação que recentemente criticava o pré candidato do MDB pelo mesmo fato. Inclusive a importância da pandemia no quesito transferência deixa a desejar, pois a inauguração foi mais importante que o boletim epidemiológico, onde este é de interesse aos 20 mil habitantes e simplesmente o assessor de comunicação deu prioridade a reinauguração que pode trazer votos para o prefeito, descaso na saúde.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

1000 x 100
ANÚNCIE AQUI

Entao nossa saúde está aquém do que precisamos, não é por falta de dinheiro, pois em menos de 90 dias o município recebeu quase R$ 1,30 milhões e uma simples máscara não foi redistribuída