Brasil
Olavo de Carvalho questiona se Terra orbita o Sol; o que diz a ciência?

Publicado em 09/01/2019 10:26

Reprodução

"No fim do século passado, uma dupla de cientistas, Mitchelson e Morley, disse o seguinte: se de fato a Terra se move ao redor do Sol, então deve haver diferenças na velocidade da luz em vários pontos da Terra conforme as várias estações do ano. E eles mediram isso milhares e milhares de vezes e viram que não mudava nada. Então, das duas, uma. Ou a Terra não se move ou é preciso modificar a física inteira", disse o filósofo Olavo de Carvalho em um de seus vídeos, repercutido nas redes sociais nesta semana.

Na gravação, ele ainda contesta o heliocentrismo (que diz que o Sol é o centro do sistema solar, com planetas em sua órbita) e a origem da teoria da relatividade, de Albert Einstein. "Então um cidadão chamado Albert Einstein viu isso e achou que era preferível modificar a física inteira só para não admitir que não havia provas do heliocentrismo", afirma. "O fato é que, no confronto entre geocentrismo (Terra como centro) e heliocentrismo não existe uma prova definitiva de um lado, nem de outro". Em outro vídeo, ele admite não ter estudado o assunto com profundidade, mas se mostra cético na escolha de uma ou outra opção.

Teria ele razão?

Astrônomos dizem que a ciência já provou o heliocentrismo há séculos e as teorias de Einstein vêm sendo corroboradas por várias pesquisas atuais, embora admitam que o entendimento de resultados científicos nem sempre é de fácil compreensão.

Um exemplo é o experimento de Michelson e Morley, que não foi comprovado e foi uma das inspirações de teoria da relatividade.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

"O que esse experimento tentou fazer era detectar a velocidade da luz no éter. Imaginavam que a luz precisava de um meio para se propagar", conta Gustavo Rojas, astrônomo da Ufscar (Universidade Federal de São Carlos). "Como já se sabia que a Terra gira em torno do Sol, se esperava que haveria uma diferença na velocidade da propagação da luz. Esse experimento foi realizado inúmeras vezes. A conclusão óbvia é que a velocidade da luz é independente do movimento do observador."

Questionamentos sobre os achados de Albert Einstein são igualmente infundados. Cassio Barbosa, professor do departamento de física do Centro Universitário FEI, explica:

A relatividade tem sido provada tem mais de 100 anos. Todo mundo que inventa um teste para derrubar a relatividade tem falhado

"Isso é mais do que assentado. Ela está sendo testada em limites que nem o próprio Einstein tinha pensado e está sendo comprovada experimentalmente", diz ele.

Barbosa afirma que cientistas pensam em modelos alternativos, mas a "simplicidade e beleza das equações" mostra que a relatividade se destaca como o melhor caminho, segundo a navalha de Occan --princípio lógico que defende que qualquer fenômeno deve assumir o menor número possível de premissas.

"A relatividade explica vários fenômenos da maneira mais simples possível e de forma encadeada", diz Barbosa.

detecção de ondas gravitacionais é um fato que corrobora com a teoria de Einstein. "Se fosse uma teoria inconsistente, esses subprodutos não seriam verificados. Subprodutos que ele nem tinha pensado estão sendo descobertos", completou o professor da FEI.

Como provaram o heliocentrismo?

As comprovações sobre o heliocentrismo, por outro lado, antecedem a Einstein. Gustavo Rojas lembrou evidências apontadas pelos astrônomos Galileu Galilei, no século 17, e James Bradley, no século 18. O italiano observou as diferentes fases de Vênus, explicadas pela rotação da Terra e de Vênus em torno do Sol, sendo que Vênus está posicionado antes da Terra.

Já Bradley descobriu o fenômeno da aberração da luz, que também indica a órbita da Terra. "Bradley viu que a posição das estrelas muda em um ângulo muito minúsculo de uma característica periódica. A posição oscila. Essa variação chama aberração da luz, que acontece por causa justamente do movimento da Terra ao redor do Sol. A Luz está chegando da estrela, mas por causa do movimento da Terra, isso causa uma pequena variação que resulta em uma mudança na posição dela no céu. Se a Terra estivesse parada, não haveria aberração da luz", descreve Rojas.

O astrônomo explicou ainda a paralaxe, que é a mudança da posição de uma estrela no céu por estar em um ponto diferente da órbita. "As estrelas que estão mais próximas mudam mais do que as que estão mais distantes", diz Rojas.

Os dois cientistas compreendem, no entanto, que essas descobertas de astrônomos são de difícil entendimento. "As pessoas precisam ter uma base para entender. Quanto mais tempo passa, maior fica esse edifício de conhecimento, então parece que é uma coisa imposta", afirma o astrônomo da Ufscar:

Ninguém está sentindo a Terra girar, nem ao redor do sol, nem de si mesmo. Quem comprova isso é a natureza, é a aberração da luz, a paralaxe

Para Cassio, saber o que é o método científico é fundamental para uma compreensão mínima das descobertas e avanços do ramo: "Quando você conhece o método, começa a entender como as coisas progridem no campo da ciência. Você não falando o jargão da área, não consegue entender. É relatividade, tem um ramo inteiro da física que estuda isso. Mas a partir do momento que você compreende o método e como se chegou a essa conclusão da relatividade, você começa a perceber como as coisas são feitas pela ciência e não vai se deixar enganar por falácias."

 


Olavo de Carvalho questiona se Terra orbita o Sol; o que diz a ciência? - Araruna1 | O portal de notícias de Araruna e Região
Brasil
Olavo de Carvalho questiona se Terra orbita o Sol; o que diz a ciência?

Publicado em 09/01/2019 10:26

Reprodução

"No fim do século passado, uma dupla de cientistas, Mitchelson e Morley, disse o seguinte: se de fato a Terra se move ao redor do Sol, então deve haver diferenças na velocidade da luz em vários pontos da Terra conforme as várias estações do ano. E eles mediram isso milhares e milhares de vezes e viram que não mudava nada. Então, das duas, uma. Ou a Terra não se move ou é preciso modificar a física inteira", disse o filósofo Olavo de Carvalho em um de seus vídeos, repercutido nas redes sociais nesta semana.

Na gravação, ele ainda contesta o heliocentrismo (que diz que o Sol é o centro do sistema solar, com planetas em sua órbita) e a origem da teoria da relatividade, de Albert Einstein. "Então um cidadão chamado Albert Einstein viu isso e achou que era preferível modificar a física inteira só para não admitir que não havia provas do heliocentrismo", afirma. "O fato é que, no confronto entre geocentrismo (Terra como centro) e heliocentrismo não existe uma prova definitiva de um lado, nem de outro". Em outro vídeo, ele admite não ter estudado o assunto com profundidade, mas se mostra cético na escolha de uma ou outra opção.

Teria ele razão?

Astrônomos dizem que a ciência já provou o heliocentrismo há séculos e as teorias de Einstein vêm sendo corroboradas por várias pesquisas atuais, embora admitam que o entendimento de resultados científicos nem sempre é de fácil compreensão.

Um exemplo é o experimento de Michelson e Morley, que não foi comprovado e foi uma das inspirações de teoria da relatividade.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

"O que esse experimento tentou fazer era detectar a velocidade da luz no éter. Imaginavam que a luz precisava de um meio para se propagar", conta Gustavo Rojas, astrônomo da Ufscar (Universidade Federal de São Carlos). "Como já se sabia que a Terra gira em torno do Sol, se esperava que haveria uma diferença na velocidade da propagação da luz. Esse experimento foi realizado inúmeras vezes. A conclusão óbvia é que a velocidade da luz é independente do movimento do observador."

Questionamentos sobre os achados de Albert Einstein são igualmente infundados. Cassio Barbosa, professor do departamento de física do Centro Universitário FEI, explica:

A relatividade tem sido provada tem mais de 100 anos. Todo mundo que inventa um teste para derrubar a relatividade tem falhado

"Isso é mais do que assentado. Ela está sendo testada em limites que nem o próprio Einstein tinha pensado e está sendo comprovada experimentalmente", diz ele.

Barbosa afirma que cientistas pensam em modelos alternativos, mas a "simplicidade e beleza das equações" mostra que a relatividade se destaca como o melhor caminho, segundo a navalha de Occan --princípio lógico que defende que qualquer fenômeno deve assumir o menor número possível de premissas.

"A relatividade explica vários fenômenos da maneira mais simples possível e de forma encadeada", diz Barbosa.

detecção de ondas gravitacionais é um fato que corrobora com a teoria de Einstein. "Se fosse uma teoria inconsistente, esses subprodutos não seriam verificados. Subprodutos que ele nem tinha pensado estão sendo descobertos", completou o professor da FEI.

Como provaram o heliocentrismo?

As comprovações sobre o heliocentrismo, por outro lado, antecedem a Einstein. Gustavo Rojas lembrou evidências apontadas pelos astrônomos Galileu Galilei, no século 17, e James Bradley, no século 18. O italiano observou as diferentes fases de Vênus, explicadas pela rotação da Terra e de Vênus em torno do Sol, sendo que Vênus está posicionado antes da Terra.

Já Bradley descobriu o fenômeno da aberração da luz, que também indica a órbita da Terra. "Bradley viu que a posição das estrelas muda em um ângulo muito minúsculo de uma característica periódica. A posição oscila. Essa variação chama aberração da luz, que acontece por causa justamente do movimento da Terra ao redor do Sol. A Luz está chegando da estrela, mas por causa do movimento da Terra, isso causa uma pequena variação que resulta em uma mudança na posição dela no céu. Se a Terra estivesse parada, não haveria aberração da luz", descreve Rojas.

O astrônomo explicou ainda a paralaxe, que é a mudança da posição de uma estrela no céu por estar em um ponto diferente da órbita. "As estrelas que estão mais próximas mudam mais do que as que estão mais distantes", diz Rojas.

Os dois cientistas compreendem, no entanto, que essas descobertas de astrônomos são de difícil entendimento. "As pessoas precisam ter uma base para entender. Quanto mais tempo passa, maior fica esse edifício de conhecimento, então parece que é uma coisa imposta", afirma o astrônomo da Ufscar:

Ninguém está sentindo a Terra girar, nem ao redor do sol, nem de si mesmo. Quem comprova isso é a natureza, é a aberração da luz, a paralaxe

Para Cassio, saber o que é o método científico é fundamental para uma compreensão mínima das descobertas e avanços do ramo: "Quando você conhece o método, começa a entender como as coisas progridem no campo da ciência. Você não falando o jargão da área, não consegue entender. É relatividade, tem um ramo inteiro da física que estuda isso. Mas a partir do momento que você compreende o método e como se chegou a essa conclusão da relatividade, você começa a perceber como as coisas são feitas pela ciência e não vai se deixar enganar por falácias."

 


Olavo de Carvalho questiona se Terra orbita o Sol; o que diz a ciência? - Araruna1 | O portal de notícias de Araruna e Região
Ciências
Olavo de Carvalho questiona se Terra orbita o Sol; o que diz a ciência?

Publicado em 09/01/2019 23:26

Reprodução

"No fim do século passado, uma dupla de cientistas, Mitchelson e Morley, disse o seguinte: se de fato a Terra se move ao redor do Sol, então deve haver diferenças na velocidade da luz em vários pontos da Terra conforme as várias estações do ano. E eles mediram isso milhares e milhares de vezes e viram que não mudava nada. Então, das duas, uma. Ou a Terra não se move ou é preciso modificar a física inteira", disse o filósofo Olavo de Carvalho em um de seus vídeos, repercutido nas redes sociais nesta semana.

Na gravação, ele ainda contesta o heliocentrismo (que diz que o Sol é o centro do sistema solar, com planetas em sua órbita) e a origem da teoria da relatividade, de Albert Einstein. "Então um cidadão chamado Albert Einstein viu isso e achou que era preferível modificar a física inteira só para não admitir que não havia provas do heliocentrismo", afirma. "O fato é que, no confronto entre geocentrismo (Terra como centro) e heliocentrismo não existe uma prova definitiva de um lado, nem de outro". Em outro vídeo, ele admite não ter estudado o assunto com profundidade, mas se mostra cético na escolha de uma ou outra opção.

Teria ele razão?

Astrônomos dizem que a ciência já provou o heliocentrismo há séculos e as teorias de Einstein vêm sendo corroboradas por várias pesquisas atuais, embora admitam que o entendimento de resultados científicos nem sempre é de fácil compreensão.

Um exemplo é o experimento de Michelson e Morley, que não foi comprovado e foi uma das inspirações de teoria da relatividade.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

"O que esse experimento tentou fazer era detectar a velocidade da luz no éter. Imaginavam que a luz precisava de um meio para se propagar", conta Gustavo Rojas, astrônomo da Ufscar (Universidade Federal de São Carlos). "Como já se sabia que a Terra gira em torno do Sol, se esperava que haveria uma diferença na velocidade da propagação da luz. Esse experimento foi realizado inúmeras vezes. A conclusão óbvia é que a velocidade da luz é independente do movimento do observador."

Questionamentos sobre os achados de Albert Einstein são igualmente infundados. Cassio Barbosa, professor do departamento de física do Centro Universitário FEI, explica:

A relatividade tem sido provada tem mais de 100 anos. Todo mundo que inventa um teste para derrubar a relatividade tem falhado

"Isso é mais do que assentado. Ela está sendo testada em limites que nem o próprio Einstein tinha pensado e está sendo comprovada experimentalmente", diz ele.

Barbosa afirma que cientistas pensam em modelos alternativos, mas a "simplicidade e beleza das equações" mostra que a relatividade se destaca como o melhor caminho, segundo a navalha de Occan --princípio lógico que defende que qualquer fenômeno deve assumir o menor número possível de premissas.

"A relatividade explica vários fenômenos da maneira mais simples possível e de forma encadeada", diz Barbosa.

detecção de ondas gravitacionais é um fato que corrobora com a teoria de Einstein. "Se fosse uma teoria inconsistente, esses subprodutos não seriam verificados. Subprodutos que ele nem tinha pensado estão sendo descobertos", completou o professor da FEI.

Como provaram o heliocentrismo?

As comprovações sobre o heliocentrismo, por outro lado, antecedem a Einstein. Gustavo Rojas lembrou evidências apontadas pelos astrônomos Galileu Galilei, no século 17, e James Bradley, no século 18. O italiano observou as diferentes fases de Vênus, explicadas pela rotação da Terra e de Vênus em torno do Sol, sendo que Vênus está posicionado antes da Terra.

Já Bradley descobriu o fenômeno da aberração da luz, que também indica a órbita da Terra. "Bradley viu que a posição das estrelas muda em um ângulo muito minúsculo de uma característica periódica. A posição oscila. Essa variação chama aberração da luz, que acontece por causa justamente do movimento da Terra ao redor do Sol. A Luz está chegando da estrela, mas por causa do movimento da Terra, isso causa uma pequena variação que resulta em uma mudança na posição dela no céu. Se a Terra estivesse parada, não haveria aberração da luz", descreve Rojas.

O astrônomo explicou ainda a paralaxe, que é a mudança da posição de uma estrela no céu por estar em um ponto diferente da órbita. "As estrelas que estão mais próximas mudam mais do que as que estão mais distantes", diz Rojas.

Os dois cientistas compreendem, no entanto, que essas descobertas de astrônomos são de difícil entendimento. "As pessoas precisam ter uma base para entender. Quanto mais tempo passa, maior fica esse edifício de conhecimento, então parece que é uma coisa imposta", afirma o astrônomo da Ufscar:

Ninguém está sentindo a Terra girar, nem ao redor do sol, nem de si mesmo. Quem comprova isso é a natureza, é a aberração da luz, a paralaxe

Para Cassio, saber o que é o método científico é fundamental para uma compreensão mínima das descobertas e avanços do ramo: "Quando você conhece o método, começa a entender como as coisas progridem no campo da ciência. Você não falando o jargão da área, não consegue entender. É relatividade, tem um ramo inteiro da física que estuda isso. Mas a partir do momento que você compreende o método e como se chegou a essa conclusão da relatividade, você começa a perceber como as coisas são feitas pela ciência e não vai se deixar enganar por falácias."