Economia
PB tem mais empreendedores idosos do que jovens, aponta Sebrae

Publicado em 01/07/2019 10:08

Reprodução

A quantidade de empreendedores idosos é maior do que a quantidade de jovens donos de pequenos negócios na Paraíba. O dado foi colhido na pesquisa Empreendedorismo Jovem e Sênior no Brasil em 2018, realizada pelo Sebrae Nacional. No estado, são 45 mil empreendedores acima dos 65 anos e 37 mil são jovens de até 24 anos.

De acordo com a pesquisa, tanto nas faixas etárias mais jovens quanto nas mais maduras, mais homens estão à frente dos negócios em relação a mulheres. Até 24 anos, 61% dos empreendedores são homens, enquanto 39% são mulheres. Já na faixa etária dos 65 anos ou mais, a disparidade é ainda maior: 76% dos donos de negócios são homens, enquanto 24% são mulheres.

Com relação à escolaridade, a maior parte dos jovens (61%) possuem até o ensino médio, enquanto os empreendedores mais maduros, em sua maioria (61%), têm grau de instrução até o ensino fundamental.

Em relação ao tempo de trabalho, os empreendedores paraibanos com mais de 65 anos apresentam maior estabilidade, com 89% deles persistindo dois ou mais ano no mesmo tipo de atividade, contra os jovens que têm maior rotatividade, com 46% dos pesquisados empreendendo na mesma atividade por mais tempo.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

No tocante ao rendimento médio, tanto jovens quando seniores recebem, em sua maioria, até 01 salário mínimo (76% para cada faixa etária). Apenas 7% dos empreendedores idosos e 2,62% dos jovens recebem três salários mínimos ou mais.

De acordo com a economista e gerente estratégica do Sebrae Paraíba, Ivani Costa, a diferença entre os donos de negócios seniores e os jovens está na razão para optar pelo empreendedorismo: enquanto os mais maduros buscam uma nova oportunidade ou recolocação no mercado de trabalho, os jovens, sem oportunidades de trabalho formal, empreendem por necessidade.

“Independentemente da idade, é essencial que o empreendedor esteja cada vez mais antenado com o mundo dos negócios. Isso pode ser feito por meio de cursos, capacitações e consultorias que o próprio Sebrae oferta. Ao obter mais conhecimentos em assuntos como gestão, inovação e sustentabilidade, por exemplo, o empreendedor pode se destacar em meio a concorrência”, destacou Ivani.

Informalidade

A pesquisa também apontou que o nível de informalidade, ou seja, empreendedores sem CNPJ, é bastante alto nas duas faixas etárias avaliadas pelo estudo, sendo que os jovens ainda superam os seniores neste aspecto.

Enquanto 89% dos empreendimentos comandados por jovens até 24 anos não são formalizados, o percentual cai para 87% no caso dos donos de negócios paraibanos com 65 anos ou mais.

No Brasil, o estudo Empreendedorismo Jovem e Sênior aponta os empreendedores mais maduros também são maioria: enquanto 2.166 com 65 anos ou mais estão à frente dos pequenos negócios no país, 1.909 possuem até 24 anos de idade.

A pesquisa foi realizada com base em dados extraídos da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), do IBGE; do Relatório Executivo Empreendedorismo no Brasil, produzido pelo Global Entrepreneurship Monitor (GEM); e da Pesquisa sobre Transformação Digital nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil e Pesquisa sobre Perfil dos Microempreendedores Individuais (2017).