Educação e cursos
UFPB lança projeto para capacitar estudantes de pós-graduação em línguas estrangeiras

Publicado em 24/09/2020 14:27

Reprodução

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB), por meio da Pró-reitoria de Pós-Graduação (PRPG), lançou projeto de capacitação em línguas estrangeiras, para estudantes de cursos de pós-graduação.

A iniciativa, no âmbito do Programa Institucional de Internacionalização (PrInt) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) na UFPB, é dividida em dois eixos.

NoEixo 1, serão ofertados minicursos da disciplina de Metodologia da Pesquisa nas línguas inglesa, espanhola e francesa, com 30 horas/aula e 2 créditos, na modalidade a distância, por meio da plataforma Moodle Class.

Esses minicursos são destinados a docentes, discentes e técnico-administrativos da UFPB vinculados a programas de pós-graduação da instituição. Os participantes deverão apresentar produto final no III Seminário Internacional do PrInt, que será divulgado em breve.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Além disso, para este Eixo 1, será oferecido também treinamento, com aplicação de simulado, para a realização do TOEFL (Test of English as a Foreign Language), exame que tem o objetivo de avaliar o potencial individual de falar e entender o inglês em nível acadêmico.

Do mesmo modo, será disponibilizado aprimoramento personalizado de competências linguísticas seguindo a metodologia PELE (Personalised English Language Enhancement), idealizada pela professora Mira Kim, da New South Wales University, em Sydney, na Austrália, que tem o intuito de ajudar estudantes a aprimorar suas habilidades na língua inglesa.

As inscrições para todas essas atividades do Eixo 1 devem ser realizadas até às 10h da próxima segunda-feira (28), pelo e-mail elaespindola.ufpb@gmail.com. As aulas terão início em 5 de outubro.

Já o Eixo 2 do projeto de capacitação em línguas estrangeiras, para estudantes de cursos de pós-graduação da UFPB, consistirá no Curso Intensivo de Francês para Mobilidade Estudantil (Franmobe), também dentro do Programa Institucional de Internacionalização (PrInt) da Capes na federal paraibana.

O curso intensivo, ofertado em parceria com a Agência de Cooperação Internacional (ACI) da UFPB e com a Embaixada da França no Brasil, terá duração de um semestre, com 50 horas/aula e será exclusivo para estudantes e professores vinculados aos projetos PrInt da UFPB e candidatos ao Programa Capes/Brafitec, que promove parcerias universitárias entre o Brasil e a França.

Só deve se inscrever nesse curso intensivo aqueles que possuem nenhum nível de proficiência na língua francesa e que desejam se preparar para um projeto de mobilidade acadêmica internacional.

As inscrições para as 25 vagas abertas também devem ocorrer até às 10h da próxima segunda-feira (28), pelo e-mail elaespindola.ufpb@gmail.com. As aulas começarão em 6 de outubro e serão realizadas nas terças e sextas, das 10h ao meio dia.

Demanda

Segundo relatório de diagnóstico da capacitação em línguas estrangeiras dos discentes de pós-graduação da UFPB, há 5.068 alunos ativos na pós-graduação stricto sensu da federal paraibana, conforme dados do Sistema Integrado de gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa) da instituição. Desse contingente, 57,2% estão matriculados em cursos de mestrado e 42,8% em cursos de doutorado. 

Além disso, existem 14 cursos de especialização ativos e 22 residências médicas e não médicas, que reúnem aproximadamente 900 alunos matriculados na pós-graduação lato sensu da UFPB.  

De acordo com a coordenadora de avaliação dos cursos de pós-graduação da UFPB, professora Márcia Fonseca, 1.368 discentes responderam ao questionário que subsidiou o diagnóstico. Esse número equivale a aproximadamente 30% dos alunos da pós-graduação da UFPB. 

As maiores demandas apresentadas pelos estudantes são para língua inglesa, com 88,8% das respostas, e para língua espanhola, com 57,2%. Em terceiro, apareceu o francês, com 11,7%, e, em quarto lugar, o italiano, com 2%. 

Quando questionados sobre mobilidade internacional, apenas 7% dos respondentes já tiveram essa experiência e 2% afirmaram ter participado de programa de doutorado sanduíche no exterior. 

“Em linhas gerais, quando se trata de capacidade linguística, é possível inferir que, dentre as habilidades de leitura, boa parte dos alunos necessita de dicionários e tradutores para compreender os textos acadêmicos em língua estrangeira da sua área de pesquisa”, conclui Márcia Fonseca. 

Segundo coordenadora de avaliação dos cursos de pós-graduação da UFPB, a habilidade de fala se mostra como uma das principais dificuldades dos alunos no tocante às situações acadêmicas, como a apresentação da sua pesquisa a interlocutores estrangeiros, que figuram como potenciais parceiros de pesquisa. 

“A escuta surge como a habilidade que a maior parte dos alunos concordaram possuírem aptidão para atividades acadêmicas, embora uma quantidade significativa afirme não conseguir acompanhar disciplinas ministradas em outra língua”, conta a gestora. 

Nesse contexto, os alunos solicitaram cursos on-line de capacitação. “É de extrema necessidade que os currículos dos cursos de pós-graduação, no âmbito da UFPB, tenham Língua Estrangeira Instrumental como disciplina obrigatória, com enfoque na leitura acadêmica, principalmente”, defende Márcia Fonseca. 

Para a coordenadora de avaliação dos cursos de pós-graduação da UFPB, por outro lado, deveria existir um Programa Institucional de Aperfeiçoamento em Língua Estrangeira dedicado exclusivamente a alunos de pós-graduação, com ênfase em todos os níveis de expressão e compreensão de línguas estrangeiras.