Entretenimento
Espetáculo teatral ‘Memórias de Terra e Água’ volta em curta temporada em JP

Publicado em 25/10/2019 15:49

Reprodução

Após uma temporada de estreia com forte adesão do público, o espetáculo teatral ‘Memórias de Terra e Água’ volta em curta temporada na cidade de João Pessoa. Baseado na obra do escritor moçambicano Mia Couto, com criação e interpretação do multiartista paraibano André Morais, a peça fica em cartaz nos dias 08, 09 e 10 de novembro, no Teatro Lima Penante, sempre às 20h.

O espetáculo fala sobre natureza e finitude. Desejo, ímpeto de vida e morte.
Um homem, um menino, uma mulher, um rio, um lugar, um tempo.
Personagens do celebrado escritor moçambicano Mia Couto são envolvidos por canções africanas, pela sonoridade dos tambores e pela interpretação de um ator.

André Morais é ator e criador dos espetáculos ‘Diário de um Louco’ e ‘Bruta Flor’, diretor do longa-metragem ‘Rebento’, e com uma carreira também dedicada à música, André volta a explorar a dramaturgia cênica unida à linguagem musical.

Acompanhado do músico Victor Figueiredo, que traz para cena a criação de toda sonoridade percussiva ao vivo, o espetáculo evoca a ancestralidade e a prosa poética de Mia Couto, construindo uma ponte entre África, Brasil e o universo íntimo do ator.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

1000 x 100

André Morais, que também construiu a dramaturgia, a partir dos livros de contos do autor, faz uma ligação emocional da obra com a memória de seu pai, morto há 3 anos. Essas histórias formam a ideia de uma única jornada, a do ser humano frente ao mistério de estar vivo.

Sob a direção cênica da atriz e educadora Lúcia Serpa, compartilhada com o próprio ator, ‘Memórias de Terra e Água’ busca construir um diálogo forte entre poesia, música e plateia, numa atmosfera que bebe no fantástico coexistindo com a tradição e a ligação com a natureza.

Serviço:

Memórias de Terra e Água
Inspirado na obra de Mia Couto
Teatro Lima Penante
08, 09 e 10 de novembro, sempre às 20h

Interpretação e Dramaturgia: André Morais
Direção Musical: Victor Figueiredo
Direção Cênica: André Morais e Lúcia Serpa
Iluminação: Fabiano Diniz
Figurino: Suzy Torres
Cenário: André Morais
Produção: Nina Rosa e Metilde Alves
Uma realização: Alarido Produções Artísticas

Conheça mais sobre o trabalho de André Morais:
http://andremorais.com
http://www.instagram.com/andremoraix/
http://www.youtube.com/andremoraisvideos

André Morais

É um artista múltiplo. Sua obra passeia com naturalidade pelo teatro, pelo cinema e pela música. Nascido na cidade de João Pessoa, Paraíba, é diretor e roteirista. Seu primeiro filme, o curta-metragem Alma, participou de mais de 20 festivais no Brasil e no exterior. O filme venceu o prêmio de Melhor Curta no Festival Latino-Americano de Toronto no Canadá.

O trabalho mais recente é o longa-metragem Rebento, no qual é autor e diretor. O filme estreou em janeiro de 2018, na seleção oficial da Mostra de Cinema de Tiradentes. Foi vencedor dos Prêmios de Melhor Filme no Diorama International Film Festival, em Nova Delhi, Índia, no Festival Internacional de Cinema Independente de São Paulo e no FestCine Pedra Azul, No Espírito Santo, além do prêmio de Melhor Diretor Estreante no Oniros Film Awards em Aosta, Itália. Ganhou o Concurso do Ministério da Cultura para Desenvolvimento de Roteiros em Longa-Metragem no ano de 2009 e participou do projeto Encontros com o Cinema Brasileiro do Festival de Cannes e Berlim, através da Agência Nacional de Cinema. Como ator, é protagonista do curta-metragem Pranto de Jaime Guimarães, no qual venceu os prêmios de Melhor Ator no 12º Curta Taquary, em Pernambuco, e no 2º Festival de Cinema de Rua de Remígio, Paraíba.

No teatro, viajou pelas cinco regiões do país, em mais de 60 cidades, como ator e criador do monólogo Diário de um Louco, baseado no conto russo de Nicolai Gogol. É um dos fundadores do Grupo de Teatro Lavoura, onde encenou as peças O Último Édipo, A matéria do sonho e Eu Augusto. Com 15 anos de trajetória, já viveu personagens como Édipo, de Sófocles, Macbeth, de Shakespeare e o Severino do Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto.

Na música, é autor de canções em parceria com nobres nomes da música brasileira como Carlos Lyra, Chico César, Ná Ozzetti, Sueli Costa, Ceumar, entre outros. Já cantou com Elza Soares, Mônica Salmaso, Naná Vasconcelos, Tetê Espíndola e ainda outros. Lançou os álbuns Dilacerado (2015) e Bruta Flor (2011).