Esporte
Juiz aplica falta grave a Bruno e semiaberto é adiado para 2023
Defesa de ex-goleiro de Flamengo e Atlético irá recorrer de sentença de magistrado em Varginha, onde o ex-atleta do Flamengo cumpre pena

Publicado em 12/02/2019 10:51

Reprodução

goleiro Bruno Fernandes, que atuou no Flamengo e Atlético-MG, foi condenado no processo que apura falta grave ao deixar o local de trabalho na Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado) de Varginha, onde cumpre pena, para ir a um bar na mesma cidade do Sul de Minas Gerais, em outubro de 2018, onde teria se encontrado com duas mulheres.

Na prática, segundo o advogado que o defende, Fábio Gama, Bruno perdeu o direito de pedir a progressão para o regime semiaberto antes de 9 de fevereiro de 2023.

Mãe de Eliza Samúdio fala sobre o caso

 

A defesa entente que o ex-goleiro tinha direito de deixar o regime fechado desde outubro passado, mas, agora, com a pena aplicada pelo juiz Tarcísio Moreira de Souza, da 1ª Vara Criminal de Execuções Penais em Varginha, o pedido não poderá ser feito antes de 9 de fevereiro de 2023.

Leia outras notícias no R7

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O advogado irá recorrer:

 — O magistrado aplicou a pena de falta grave. Considerou que Bruno teria usado o telefone celular para conversar com pessoas estranhas. No entendimento do juiz, Bruno não poderia conversar com a repórter da TV Alterosa, ou seja, com pessoas que não estava autorizado. Desta forma, ele perdeu o direito ao semiaberto. Perdeu 1/3 da remissão da pena.

Bruno conta como supostamente recebeu notícia do assassinato de Eliza Samudio

A ida de Bruno ao bar ganhou repercussão após a TV Alterosa, emissora com sede em Minas Gerais, divulgar uma reportagem na qual o goleiro foi flagrado num bar, onde havia mulheres, e bebida alcóolica. A imagem não mostra Bruno consumindo a bebida. O ex-goleiro também foi flagrado trocando mensagens pelo telefone com pessoas fora do presídio.

No horário da ida ao bar, ele deveria estar trabalhando na Apac. A defesa do ex-goleiro disse que Bruno foi vítima de armação.

R7 tenta contato com o juiz da 1ª Vara Criminal de Execuções Penais em Varginha.