Esporte
Treze contesta relatório de árbitro após confusão em jogo
Gerente do Treze disse que vai levar o caso à CBF; time paraibano enfrentou o Manaus, na capital amazonense, nessa segunda-feira (14)

Publicado em 16/09/2020 10:57

Reprodução

O relatório do árbitro Ilbert Estevam da Silva (SP) sobre os acontecimentos no jogo Manaus-AM 1×1 Treze, acusou jogadores alvinegros como causadores do tumulto ocorrido no fim do segundo tempo. A diretoria do Treze reagiu e garante representar o árbitro na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e aponta erro na jogada no gol do Manaus-AM.

O árbitro Ilbert Estevam da Silva, que teve como assistentes Luiz Alberto Andrini Nogueira e Leandra Aires Cossette (SP), escreveu na súmula “aos 45 minutos + 7 minutos do segundo tempo, após a marcação de um gol a favor da equipe do Manaus FC, os jogadores da equipe do Treze FC correram em direção ao assistente, Luiz Alberto Andrini Nogueira, reclamando de forma acintosa”.

O relatório diz ainda: “Informo que tais reclamações persistiram, sendo necessário a entrada do policiamento. Após a entrada do policiamento, houve um conflito dos jogares do Treze FC com o policiamento, que utilizou escudo, cassetete e spray de pimenta, atingindo alguns jogadores da referida equipe”.

Mas a denúncia mais forte do árbitro é a de ter recebido imagem do tenente César de Morais. “Nas imagens identificamos que o jogador do número 1, da referida equipe, Andrey da Silva Ventura, foi em direção ao policiamento, atingido o escudo com chute e soco contra a barreira do policiamento”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O gerente de futebol do Treze, Almir Dionísio, contesta o relatório, alegando que os jogadores do Treze apenas reagiram à truculência dos policiais que teriam iniciado as agressões aos atletas do Treze. Os trezeanos, segundo Almir, reclamaram do erro na jogada do gol de empate.

 

“O árbitro muito confuso, sem domínio no jogo. Ele deu dez minutos de acréscimo, um absurdo. Na jogada do gol do Manaus, o assistente levantou a bandeira, mas o árbitro não atendeu. Os jogadores do Treze foram reclamar e o assistente chamou a polícia que já chegou agredindo nossos atletas”, disse Almir Dionísio.

Seguindo suas declarações, Almir Dionísio afirma que “inclusive, a polícia bateu antes no goleiro Andrey, que apenas se defendeu. A polícia jogou gás de pimenta, em todos nossos atletas, um ato de muita covardia”, afirmou. Ele garantiu que o Treze vai levar o caso para a diretoria da CBF.