Meio ambiente
Barragens se rompem em Rondônia; dezenas de famílias estão isoladas

Publicado em 31/03/2019 10:42

Reprodução

O rompimento de duas barragens no município de Machadinho d'Oeste, em Rondônia, deixou ao menos 50 famílias isoladas, informou o governo estadual. A Polícia Ambiental informou que não há feridos ou mortos na cidade, que fica a cerca de 300 km a leste da capital, Porto Velho.

Ainda há poucas informações sobre o que pode ter causado o rompimento. Segundo o secretário de Desenvolvimento Ambiental de Rondônia, Elias Rezende de Oliveira, a região atingida teve fortes chuvas ontem, e o terreno no local é acidentado.

Também falta saber sobre possíveis danos ambientais. De acordo com Oliveira, há na região do rompimento uma barragem da mineradora Metalmig e outra de água para dessedentação animal (ou seja, água usada para consumo de animais).

O secretário relatou ao UOL que a barragem de rejeitos continha basicamente areia e argila e que, após um sobrevoo da região afetada, não foi possível identificar visualmente a presença de minério. No entanto, testes estão sendo conduzidos na área para saber se há material tóxico.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

"É prematuro afirmar que tem metal pesado", declarou o secretário.

Oliveira declarou ainda que as barragens ficavam próximas a um córrego que deságua no rio Machado (ou rio Ji-Paraná), um dos principais de Rondônia e afluente do Rio Madeira.

"Por isso a análise da água, para saber se houve contaminação. Ainda temos que saber o que esse córrego alimenta. Temos várias áreas de piscicultura e pecuária", disse.

Oliveira disse também que os licenciamentos das barragens da região foram emitidos "na gestão passada" e estão em dia, válidos até 2022. "Vamos fazer uma vistoria para ver se houve falha no licenciamento", afirmou.

Uma força-tarefa composta por funcionários do governo de Rondônia e servidores do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais) está no local para avaliar os impactos do rompimento.

Mais cedo, a reportagem também entrou em contato com o Ibama, o Ministério do Meio Ambiente e a Metalmig, mas não obteve respostas.

Há pouco mais de dois meses, em 25 de janeiro, uma barragem com rejeitos de mineração da Vale se rompeu em Brumadinho (MG). Até o momento, 217 mortos foram identificados e 87 pessoas estão desaparecidas em Minas.

Bernardo Barbosa e Wellington Ramalhoso