Meio ambiente
GodStock reúne 800 voluntários para revitalizar comunidade Beira Molhada

Publicado em 17/11/2019 11:10

Reprodução

O movimento GodStock realiza neste sábado (16) a ‘Ação Viva’, com participação de mais de 800 voluntários, na Comunidade Beira Molhada, no Distrito Industrial, em João Pessoa. A comunidade sofreu com alagamentos e inundações no período do inverno.

A ‘Ação Viva’ será realizada em parceria com a ONG Segunda Chance, que trabalha com a comunidade. Ela inclui uma série de ações sociais de dignificação da pessoa humana e a revitalização de móveis; reforma de imóveis dos moradores, passando por assistência nas áreas de saúde, jurídica, de esporte e lazer, combinando ações de evangelismo, de cidadania e de amor ao próximo.

Durante o período chuvoso deste ano, os moradores da Beira Molhada tiveram as suas casas alagadas por quase dois meses, causando perdas de seus bens e deterioração de dezenas de moradias. No período do alagamento, o Núcleo de Cuidados Comunitários (NCC) da Cidade Viva realizou a primeira ação, quando promoveu uma campanha solidária de doação de alimentos destinada aos moradores da comunidade.

Neste sábado, o desafio é o de gerar a dignificação de dezenas de famílias da comunidade. De forma antecipada, dezenas de casais da Cidade Viva fizeram um mapeamento com visitas à comunidade e adotaram 50 famílias mais atingidas pelo alagamento para prestar assistência em suas necessidades.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“A Ação Viva na comunidade Beira Molhada será a maior do Godstock 2019 na Paraíba. Ao longo de todo este sábado haverá uma invasão de centenas de voluntários na comunidade para promover ações de revitalização e de valorização da vida das famílias da comunidade”, explica o coordenador do Núcleo Cuidado Comunitário da Cidade Viva, Saulo Ribeiro.

“Normalmente, quando ocorrem alagamentos há uma série de ações sociais pontuais e uma comoção social, naquele momento. Contudo, quando passa aquele momento de comoção, a comunidade sofre mais com as consequências dos alagamentos. Queremos preencher essas lacunas com uma parceria contínua com a ONG Segunda Chance”, complementa Saulo Ribeiro.