Mundo
México rejeita fechamento da fronteira e condena falas de Trump

Publicado em 03/04/2019 22:20

Reprodução

O Senado mexicano rejeitou nesta quarta-feira (03) as ameaças do presidente dos Estados Unidos de fechar a fronteira, bem como as expressões de Donald Trump, que já no passado incitaram a atitudes xenófobas, "crimes de ódio" e discriminação contra a comunidade hispânica.

 

O Senado sublinhou que tais expressões "degradam a histórica amizade" que tem caracterizado a relação bilateral e ignoram o espírito de cooperação que tem sido demonstrado pelo Estado mexicano para encontrar soluções para os problemas entre ambos os países.

"Nos últimos dias, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, emitiu diversas declarações, tanto nas redes sociais oficiais como nos meios de comunicação, nas quais acusa e desqualifica tanto o Governo do México e os mexicanos, como a comunidade migrante, e ameaça com o fechamento da fronteira que ambos os países partilham", lê-se na carta do presidente da Junta de Coordenação Política do Senado, Ricardo Monreal.

"É importante destacar que expressões semelhantes feitas no passado incitaram a atitudes xenófobas e deu azo a crimes de ódio e discriminação contra a comunidade hispânica nos Estados Unidos", defendeu o senador.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

 

Ricardo Monreal escreve que "construir um muro e fechar a fronteira entre ambas as nações implica um prejuízo para a comunidade nacional que reside no México e nos Estados Unidos e debilita a importante relação comercial que existe entre ambos os países".

O senador salientou que, "em resposta a essa posição de agravo, o Senado da República apresenta um formal e enérgico protesto e repudia as expressões proferidas pelo presidente Trump [republicano]".

Monreal disse que a carta, enviada hoje, aos líderes da maioria republicana e minoria democrata, Mitch McConnell e Chuck Schumer, respectivamente.

"O Senado será sempre responsável pelos esforços para formular e criar os instrumentos que permitam uma política migratória que dignifique a nossa região, que promova o respeito pelos direitos humanos e que propicie fluxos migratórios de forma ordenada e regular", destacou a carta.

Hoje, o presidente norte-americano afirmou que está 100% preparado para fechar a fronteira com o México, reconhecendo que a sua decisão poderia ter consequências "negativas" para a economia do país.

 

Horas depois, o ministro dos Negócios Estrangeiros do México, Marcelo Ebrard, descartou o fechamento total desta importante fronteira. Com informações da Lusa.