Paraíba
Cai número de paraibanos que frequentam unidades de ensino
É o que aponta a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada nesta quarta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Publicado em 06/12/2018 14:02

Reprodução

O número de pessoas frequentando algum estabelecimento de ensino da Paraíba caiu em 2017. É o que aponta a Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada nesta quarta-feira (5), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o estudo, a taxa caiu de 29,8% em 2016, para 29,4% em 2017. Em contrapartida, o número aumentou em João Pessoa, pulando de 30,3% para 30,8% no mesmo período.

Na Paraíba, a faixa etária com maior frequência em estabelecimento de ensino é de 6 a 10 anos, com uma taxa de 99,4% em 2017. Já em João Pessoa, além desta faixa etária, também se destaca a de 11 a 14 anos, ambas com 98,5% de presença. Por outro lado, a população de 25 anos ou mais é responsável pela menor taxa, tanto na Paraíba (5,1%), quanto na Capital (8,2%).

Taxa aumenta em ensino superior

Se por um lado a taxa de frequência geral diminuiu, o número de pessoas no ensino superior cresceu na Paraíba de 2016 para 2017, saltando de 21,1% para 21,7%. Em João Pessoa, o IBGE aponta que o crescimento foi ainda maior, pulado de 34,3% para 40,5%. No Estado, os setores que cresceram foram o de mulheres (de 24,5% para 25,8%) e de pessoas pretas ou pardas (16,4% – 19,5%). Os índices que caíram foram o de homens (de 17,6% para 17,4%) e de brancos (29,3% – 26,1%).

João Pessoa seguiu os passos da Paraíba. Os índices que aumentaram foram de mulheres (36% para 48,6%) e pretos ou pardos (28,9% – 38,6%). E os que caíram foram o de homens (32,7% – 32%) e brancos (45,8% – 45,3%).

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Número de crianças em creches aumenta

Outro índice que apresentou melhora na Paraíba foi a quantidade de crianças de 0 a 5 anos em creches. A taxa pulou de 50,1%  em 2016 para 52,8% em 2017. A faixa etária de 0 a 3 anos apresentou um aumento de 26,7% para 30,6%. O período de 4 a 5 anos teve também um aumento de 92,1% para 96%.