Policial
Passageiros denunciam roubos, briga e tiroteio no transporte ferroviário da Grande JP

Publicado em 30/12/2018 10:39

Reprodução

Passageiros que utilizam o transporte ferroviário na Região Metropolitana de João Pessoa estão reclamando da ação de bandidos nas estações de passageiros e dentro das composições. Os crimes mais citados são roubos e briga de gangues, inclusive com tiroteios, nas estações de alguns bairros, como Mandacaru e Alto do Mateus. Os últimos casos relatados aconteceram na quinta e na sexta-feira da semana passada. Na quinta, um vagão foi invadido, mas os bandidos não conseguiram roubar. Já no dia seguinte, criminosos fizeram um arrastão nos passageiros, inclusive com disparos de arma de fogo.

 

Os trens se tornaram atrativos para os usuários por conta do baixo preço da tarifa (R$ 0,50) e da rapidez com que o veículo se desloca entre Santa Rita, Bayeux, João Pessoa e Cabedelo. Mas os bandidos estão tirando o sossego dos trabalhadores que dependem do transporte ferroviário.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Segundo ele, não existe esquema de segurança nas estações e dentro dos trens, o que facilita a ação dos bandidos. “Eu pego trem todos os dias e já vim muita coisa acontecer aqui, principalmente quando chega em Mandacaru e no Alto do Mateus, onde eles entram nos trens e fazem o que querem. Quando não é isso vêm brigar nas estações, com rivais que estão esperando o trem”, disse um passageiro que não quis ser identificado.

 

O técnico em Eletrônica Severino Pereira usa o trem apenas no trecho entre Cabedelo e João Pessoa, mas já presenciou um assalto. “Eu estava na estação de Cabedelo quando o trem chegou e eu vi uns caras descendo mais apressados que os outros passageiros. Em seguida desceram umas mulheres chorando, muita gente nervosa. Foi quando soube que aqueles caras tinham assaltado o trem. Eles tinham entrado na estação de Mandacaru e fizeram o assalto no trecho até Cabedelo”, contou. Ele reclamou da escassez de seguranças no trem.

 

A doméstica Elenice Florêncio sugeriu que a polícia fizesse patrulhamento nas estações, para impedir que os bandidos invadam os trens. “Na semana passada tinha um cara tentando matar o outro dentro do trem. Eles entraram na estação da Ilha do Bispo e vieram brigar dentro do trem, colocando em risco a vida dos passageiros”, lembrou.

 

A autônoma Maria José Felipe contou que, na última sexta-feira, a filha grávida estava em um trem que foi invadido por um grupo de bandidos, que chegaram atirando para intimidar os funcionários do trem. “Minha filha está com oito meses de gravidez e ficou no meio da confusão, pessoas caindo por cima dela. Os caras roubaram todos os passageiros que estavam no trem. Eu estava em outro vagão e fiquei desesperada, sem poder ajudar minha filha”, disse.

 

CBTU: Procurada aa direção da CBTU-PB informou que contratou 14 agentes de segurança, para atuar nos trens e nas estações, mas que esses servidores não podem usar armas e não têm poder de polícia. Informou que também foi contratada uma empresa de segurança privada, que coloca oito seguranças, com foco na segurança patrimonial da instituição. A companhia informou ainda que, apesar de não ser atribuição da Polícia Militar, fazer a segurança nos domínios em que atua, por se tratar de uma empresa federal, está articulando ações conjuntas com a PM para fazer operações especiais de combate à criminalidade no transporte ferroviário.