Relacionamento e sexo
5 perguntas sobre saúde sexual que você deverá saber responder

Publicado em 11/10/2018 18:33

Reprodução

Por mais que hoje em dia muito se fale sobre o sexo em relação ao passado, muitas informações que não são verdadeiras também circulam entre as pessoas, por isso, é importante prestar atenção e sempre buscar informações verdadeiras.

Entre algumas das perguntas mais frequentes sobre saúde sexual, você saberia responder a todas elas? Se não, não se preocupe, aqui você verá as respostas para que possa ter as informações necessária.

1. Se usar preservativo, estará protegida completamente da gravidez não desejada e das doenças sexualmente transmissíveis?

Diversos estudos científicos determinaram a eficácia do preservativo na prevenção da maioria das doenças sexualmente transmissíveis (DST) em cerca de 95%, enquanto que a sua eficácia como método de controle natal é mais alta, chegando a 97%.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De acordo com um estudo realizado pelo centro de saúde de jovens mulheres, o motivo da sua menor efetividade na transmissão de DST deve-se ao fato de o preservativo masculino mais comum, fabricado com látex natural, não proteger o escroto – saco – nem evita as infecções produzidas pelo vírus da papiloma humana (HPV).

No caso do preservativo feminino, além de cobrir os lábios genitais e o clitóris, ela evita que os testículos estejam expostos ou possam contrair DST.

2. Quais são os métodos mais eficazes de contracepção?

Hoje em dia há vários métodos anticoncepcionais disponíveis. Na hora de escolher um, deverá saber qual se adapta melhor às suas necessidades. A pílula anticoncepcional, por exemplo, é um dos métodos mais eficazes para evitar a gravidez, mas você deve saber que ela não protege contra doenças sexualmente transmissíveis.

Outra opção muito semelhante é o adesivo transdérmico, que é aplicado uma vez por semana, e é tão eficaz quanto a pílula, cerca de 99%.

No caso dos contraceptivos intravaginais, deve-se citar o anel vaginal, que pode ser usado por 3 semanas, e em seguida, deve ser removido, deixando uma semana de descanso. Por outro lado, está o dispositivo intrauterino, vulgarmente conhecido como DIU, que pode permanecer sem precisar ser alterado por um período de 3 a 5 anos.

No caso dos homens, existem duas opções. O primeiro é a vasectomia, um método pseudo-definitivo, que embora na maioria dos casos possa ser revertido, precisa estar bem claro e decidido que futuramente você não queira ter mais filhos.

Este método consiste em seccionar e selar os vasos deferentes, que é o lugar onde o esperma passa dos testículos para a uretra masculina, de forma a impossibilitar a gravidez. A outra opção, mais conhecida e aconselhável, é o preservativo.

3. Tenho um novo parceiro: existe alguma maneira de saber se ambos estamos 100% livres de DST?

Atualmente não há evidências concretas de que estamos 100% livres de DST, porque as pessoas podem ser portadoras de algumas delas e não saber disso. No caso de ter tido relações sexuais com pessoas diferentes, ou notar qualquer tipo de sintoma fora da normalidade, é mais apropriado que você vá ao seu médico e faça os exames necessário.

Um exame de sangue (específico para cada vírus) será suficiente para excluir qualquer possibilidade de infecções. Lembre-se também da importância de fazer regularmente as citologias correspondentes.

4. Que tipos de verrugas genitais existem e quais podem ser suas causas?

As verrugas são protuberâncias carnudas que aparecem na pele. Quando estes surgem tanto na área externa genital (vulva, ânus ou pênis) como no interior da mesma (vagina ou colo do útero), costuma ser devido a uma doença sexualmente transmissível.

90% das verrugas genitais são causadas pelos tipos 6 e 11 do HPV, considerados tipos de câncer de baixo risco.

As verrugas exigem tratamento para serem eliminadas, no entanto, mesmo que desapareçam, isso não significa que o vírus também desapareceu. Ainda assim, as verrugas genitais têm uma alta taxa de reaparecimento.

Existem dois tipos principais de verrugas genitais: as planas, que aparecem individualmente e têm um tamanho pequeno, e as verrugas na forma de ramo, que aparecem agrupadas na mesma área. Todas elas são contagiosas: têm uma taxa de transmissibilidade de 65% entre parceiros sexuais.

5. Meu parceiro não quer usar preservativo, o que faço?

Embora o uso do preservativo seja muito generalizado nos relacionamentos atuais, ainda há homens que relutam para usá-los. Se você está em um relacionamento e o seu parceiro rejeita o uso de preservativos, é importante conversar com ele e conhecer os seus motivos.

Ele pode dizer que não sente nada quando usa, que interrompe a paixão, é broxante ou até mesmo que ele é pequeno, mas em qualquer caso, hoje existem os mais variados tipos de preservativos para se adequarem perfeitamente à anatomia dos homens então, procurar o que se adapta melhor pode ser a solução.

No entanto, em um relacionamento, e sabendo que ambos são completamente saudáveis, vocês também poderão considerar tentar outros métodos de contracepção que fazem com que vocês se sintam confortáveis.

No caso das relações esporádicas, não há desculpas: a camisinha protege não só as gravidezes indesejadas, mas também reduz o risco de contrair doenças sexualmente transmissíveis.

Se você conhece um cara e ele rejeita a ideia de usar preservativo, é possível que ele já tenha tido relações esporádicas sem camisinha antes de você, então ele terá sido exposto a doenças como HIV, gonorreia ou HPV. Você realmente quer se arriscar?

Essas são as 5 perguntas sobre saúde sexual que você deverá saber responder para ter uma vida sexual muito mais saudável.