Saúde
Casos de candidíase aumentam no verão; veja como evitar

Publicado em 14/01/2020 09:25

Reprodução

Verão combina com praia e piscina, mas nessa época de calor também aumentam os casos de candidíase, pois se costuma ficar com roupas de banho molhadas por mais tempo. Essa doença genital atinge a população feminina provocando coceira, ardência, corrimento, entre outros sintomas.

Segundo o médico ginecologista e obstetra do Hapvida em João Pessoa, Luiz Fernando Moscoso, a doença é originária do fungo Candida Albicans e está presente no organismo feminino. O fungo se aloja comumente na área genital. O tratamento deve ser feito por antibióticos e o famoso ‘banho de assento’.

Para evitar a doença, o ideal é secar bem a região íntima e evitar ficar períodos prolongados com roupas molhadas. Calcinhas de algodão são as mais recomendadas e se deve evitar o uso de calças apertadas e jeans.

“É de suma importância que as mulheres estejam atentas à saúde íntima. Uma das formas de prevenir a doença se dá pelo controle do uso de roupas apertadas e de material sintético como a lycra. Mantendo sempre a higiene íntima em dia, e melhorando a imunidade”, explica o médico.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

1000 x 100

Em meio a alguns sintomas que podem indicar a doença estão o intenso prurido (coceira) e ardência vulvovaginal. Além disso, a presença de corrimento branco leitoso com grumos e vermelhidão são outros sintomas que indicam que algo não vai bem com a saúde íntima.

“As mulheres alojam a cândida em suas vaginas, convivendo em saprofitismo, ou seja, sem causar mal algum. Porém, quando as condições do meio são favoráveis, elas se manifestam, causando a doença”, destaca Luiz Fernando Moscoso. O fungo não se adquire na praia ou piscina, mas encontra nessa época ambiente favorável para se desenvolver.

Candidíase na gravidez 

O especialista reforça que as gestantes precisam redobrar a atenção quando o assunto é candidíase. “As mulheres grávidas tendem a apresentar uma diminuição da imunidade, por esse motivo a necessidade de redobrar os cuidados para prevenir a manifestação da candidíase”, reforça.

Além da Cândida Albicans existem mais três tipos da doença C. glabrata, C.krusei e C. parapsilosis. Sendo a Cândida Albicans a de maior frequência, ocorrendo em 90% dos casos.