Saúde
CRM interdita eticamente médicos de UPA da Capital

Publicado em 13/05/2019 16:16

Reprodução

Os médicos da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cruz das Armas, em João Pessoa, foram interditados eticamente na manhã desta segunda-feira (13) pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB). O motivo da interdição, que tem início a 0h desta terça-feira (14), é a falta de segurança do local. Os médicos, assim como outros profissionais da saúde da unidade, relatam que sofrem agressões verbais e físicas.

No dia 29 de abril, o CRM-PB notificou a direção da UPA e deu um prazo de 10 dias para que fosse providenciada a segurança adequada para garantir que os profissionais possam exercer sua profissão com tranquilidade. Na manhã desta segunda-feira (13), a equipe de Fiscalização do conselho esteve na unidade para verificar se a determinação foi cumprida.

“Infelizmente, a segurança para os profissionais não foi providenciada e não nos restou alternativa a não ser interditar eticamente os médicos”, explicou o diretor de Fiscalização do CRM-PB, João Alberto Pessoa.

Em reunião realizada entre a equipe médica e a diretoria do CRM-PB, no dia 25 de abril, os profissionais relataram vários casos de insegurança. “Os médicos disseram que a UPA conta apenas com seguranças do patrimônio. É preciso que haja segurança para as pessoas que chegam para trabalhar, assim como para os pacientes, mesmo que seja uma segurança privada”, destacou o presidente do CRM-PB, Roberto Magliano de Morais.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

As interdições éticas realizadas pelo CRM-PB impedem, exclusivamente, o médico de atender nas unidades de saúde. A medida tem o objetivo de preservar a dignidade do atendimento médico à população e a segurança do ato médico.

Escala médica

No dia 25 de maio, termina o prazo para a direção da UPA de Cruz das Armas apresentar ao CRM-PB a escala completa dos médicos. Atualmente a unidade conta com cinco médicos, porém são necessários seis para preencher a escala. “Médicos relataram que, por muitas vezes, atendem até 100 pacientes em um mesmo dia, por falta de outros profissionais. Infelizmente, isso não pode acontecer. É preciso que haja uma quantidade adequada de médicos para atender a população de forma segura”, disse o diretor de fiscalização do CRM-PB, João Alberto Pessoa.

Outro lado

Até a publicação desta matéria, a Secretaria Municipal da Saúde não havia sido notificada sobre o assunto, conforme informou a assessoria de comunicação. A assessoria disse que irá avaliar a situação junto ao gabinete do órgão e, posteriormente, enviará um posicionamento oficial à redação do Portal Correio.